Segunda Pregação: A autoridade espiritual e a santidade | Pe Pedro Paulo Alexandre – Retiro Estadual para Coordenadores de Grupos de Oração

Presidência do Concclat partilha sobre a missão da Corrente de Graça
23 de agosto de 2019
Primeira Pregação: Grupo de Oração a alma da Renovação | Leandro Rabello – Retiro Estadual para Coordenadores de Grupos de Oração
23 de agosto de 2019

Ao final da manhã de sábado (23), o Padre Pedro Paulo Alexandre, sacerdote exorcista da Arquidiocese de Florianópolis, expôs aos participantes do retiro uma pregação cujo tema se denomina: “Autoridade espiritual e santidade”. Logo no início, através dos exemplos bíblicos de São João Batista e Nossa Senhora, ficou evidente o papel da santidade como propulsora da autoridade espiritual para os coordenadores de grupo de oração.

A decisão por uma vida de santidade constitui o fundamento para se alcançar a salvação. A partir disso, foi ressaltado o chamado cristão à perfeição feito pelos papas em seus documentos pontifícios, tais como Lumen Gentium e Gaudete et Exultate. Para isso, foram demonstrados os dois recursos necessários desta peregrinação rumo ao céu: parar de pecar a começar a amar, pois a primeira vocação humana é amar – as demais vocações específicas consistem nos possíveis caminhos para a concretização desse amor.

Em seguida, foram elencados os passos para a santidade. O primeiro, o desejo pela eternidade para a qual o ser humano foi criado. Pensar no céu e sonhá-lo ensina o homem sobre o desapego ao sucesso e aos bens materiais. Como segundo aspecto, a luta contra o pecado: é preciso resistir constantemente ao pecado, ser assíduo e apreçar a busca pelo sacramento da confissão. Não entanto, deve desmascarar a atuação do diabo na atualidade, a qual se dá por meio de duas ideologias: o falso respeito humano e o politicamente correto. Diante delas, o sacerdote exortou: “abandone a timidez, não omita a verdade, não deixe de nomear aquilo que é sabidamente pecado”.

É missão do servo tornar público o conhecimento do que é matéria de fé, em especial no que diz respeito à luxúria e ao ocultismo – instruir os irmãos com verdade é também amar! A confissão sincera – quarto item – mencionada como dever inerente ao cristão, precisa ser concisa, clara e completa; o quinto aspecto é a obediência a Cristo e a sua Igreja, genuína fonte de autoridade e prova para a santidade, pois atesta a fé daquele que cegamente deseja seguir a Jesus, sem exigir questionamentos. O sexto ponto fala sobre a humildade: por meio dela o homem sai do centro de sua vontade para chegar ao local exato onde Deus o quer.

A oração e o abraçar a cruz de Cristo remetem ao sacrifício da vida humana por amor a Deus: aceite a cruz como amor tesouro mesmo que par isso haja dor! Como último ponto, viver o serviço sincero e entregue à Igreja, zelando por um testemunho coerente com a fé católica, solidificará a vocação santa à qual todos fomos chamados. “Se formos santos, seremos assim revestidos pela autoridade espiritual”.

Fonte: Maria Clara Formolo | Núcleo MUR da RCC Santa Catarina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X