Pense Nisso 13: O Martírio na Vida Cristã Contemporânea
6 de junho de 2019
Estão abertas as inscrições para o Renasem 2019
14 de junho de 2019

Você sabe o que é um dogma? Dogmas são verdadesde fé instituídaspela Igreja Católica, as quais foram discutidas, esclarecidas e documentadas nas bulas apostólicas. Totalizam 44 definições doutrinárias, dentre elas, 4 que dizem respeito a Maria.

Os Dogmas Marianos revelam a importância e a autoridade de Nossa Senhora para a vida cristã, pois instruem o católico sobre como lhe prestar culto de veneração e situam-na adequadamente no plano salvífico de Deus. “O que a fé católica crê a respeito de Maria, funda-se no que crê a respeito de Cristo. Mas o que a mesma fé ensina sobre Maria esclarece, por sua vez, a sua fé em Cristo” (CIC §487).

O primeiro, a Maternidade Divina, fundamenta-se na compreensão de que Jesus é inteiramente homem e Deus. Portanto, a partir do Terceiro Concílio Ecumênico, em Éfeso, ela foi reconhecida como mãe de Deus (Theotokos, em grego; Mater Dei, em latim).

A Virgindade Perpétua, segundo dogma, ultrapassa qualquer possibilidade ou entendimento humanos. Somente com os olhos da fé podemos confessar que Maria é virgem antes, durante e após o nascimento de Jesus. Nesse mistério, ressaltamos o conceito de Cristo como novo Adão, o qual não é fruto de iniciativa humana, mas do vindo do céu e encarnado no ventre de Maria pela ação do Espírito Santo.

Ao refletirmos a terceira verdade, a Imaculada Conceição, recordamos os precedentes da história da salvação, a exemplo da saudação do Anjo Gabriel a serva do Senhor como “cheia de graça”, De fato, sua total aceitação e despojamento de si nos levam a crer que apenas alguém movida pela graça divina seria capaz de tal reação. Assim, em 1854 o Papa Pio IX definiu-a dogmaticamente como concebida sem a mancha do pecado original. Por fim, a Assunção encerra os dogmas Marianos ao assumir a elevação de Maria de corpo e alma à glória celeste quando do final de sua vida terrena. Todavia, isso não a torna superior a Cristo, ao contrário, revela a centralidade do filho no plano de salvação do Pai.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X